O Portal do Norte do Paraná
Policial

Quadrilha é presa em Jaguapitã por aplicar golpes em idosos

Uma quadrilha foi presa em Jaguapitã depois de aplicar vários golpes de empréstimos consignados em idosos na região. Três homens iam até a casa das vítimas e se identificavam como representantes de vendas da empresa Sono Quality e ofereciam produtos como colchões ortopédicos, capas para colchões e travesseiros. A venda, na verdade, era uma artimanha usada pelos criminosos para fazer empréstimos consignados em nome das vítimas.

Segundo informações do delegado da Polícia Civil de Jaguapitã, Maurício de Oliveira Camargo, a quadrilha era liderada por André Luis Alves Pereira, 40 anos, que já possui uma condenação no estado de São Paulo pelo mesmo crime.

O delegado relata que a Polícia Civil chegou até o grupo depois de receber um alerta do banco que desconfiou das operações realizadas. Quando verificadas, as transferências de dinheiro não podiam ser rastreadas. A polícia foi até o banco e prendeu André em flagrante fazendo um saque com umas das idosas prejudicadas pelo golpe.

De acordo com as informações do delegado Maurício, o líder levou os policias até os outros integrantes da quadrilha – Josué Claudio de Oliveira, 22 anos, e Yuri Oliveira Moreira, 21 anos. Os três foram presos. A esposa de André também participa dos golpes, mas até a manhã de hoje (22) ainda não havia sido localizada pela Polícia, segundo o delegado.

O golpe

O delegado Maurício relatou à nossa equipe de reportagem que a mulher de André ia até a casa dos idosos e se apresentava primeiro. A empresa de colchões é fantasma, segundo apurado pela Polícia. Os golpistas tinham acesso a informações prévias sobre as vítimas, que eram escolhidas por serem aposentadas ou pensionistas. “Por isso eles abordavam idosos, pessoas mais simples, analfabetos e semianalfabetos, são alvos mais fáceis. Eles abordavam pessoas que recebem um benefício todos os meses”, esclarece o delegado.

Na primeira visita, os criminosos descobriam outras informações sobre a vítima e voltavam em um horário em que ela estava sozinha em casa. De acordo com o delegado Maurício, quando o idoso era convencido de adquirir o produto, os golpistas pegavam todos os seus documentos e preenchiam formulários para fazer um empréstimo consignado no nome do idoso, sem o conhecimento dele.

Quando o crédito era liberado, a quadrilha ia entregar a compra. “Depois eles levavam a vítima até o banco, sem ela saber de nada, dizendo que era hora do pagamento. A pessoa dizia que não tinha dinheiro para pagar e eles explicavam que o valor já estava disponível no banco e orientavam a vítima a fazer uma transferência para a conta deles. Os papéis que comprovam as transações foram apreendidos”, explica o delegado da Polícia Civil.

O valor dos empréstimos era de R$ 199,00 mensais, em 72 parcelas – uma dívida de 6 anos – totalizando R$ 14.328,00. A vítima de fraude pode solicitar o cancelamento em até 7 dias. Passado esse prazo, o banco começa a cobrar a dívida.

O delegado de Jaguapitã afirma que as primeiras informações apuradas indicam que a quadrilha é antiga e depois de aplicar muitos golpes em São Paulo, começou a agir no Paraná. A Polícia Civil recebeu denúncias de golpes da mesma empresa fantasma em Florestópolis, Munhoz de Melo e Cascavel. Quem foi lesado pela quadrilha deve procurar a delegacia mais próxima e registrar um Boletim de Ocorrência.

Por Daiane Valentin

 

Mais informações na programação da Rádio Cultura AM 930

 

Postagens relacionadas

Em Apucarana, motorista assusta com capivara e capota carro

Guarda Municipal prende indivíduo por furto em CMEI na cidade de Londrina

Em Cambé, homem é baleado no Jardim Ana Eliza I

Cobra News (User)

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais