O Portal do Norte do Paraná
Política

Mandado de segurança quer anular votação da CP

Os vereadores Alex Santana (PSD), Andrezinho da Farmácia (PSC), João Ardigo (PSB), Reginaldo Silva (SD) e Rodrigão (SD) entraram com um mandado de segurança na Justiça pedindo a anulação da votação final da Comissão Processante do dia 02 de fevereiro, que julgou o mandato do prefeito afastado Luiz Francisconi Neto (PSDB). A argumentação dos advogados contratados pelos parlamentares é de que a vereadora Maria do Carmo (PSDB) estaria impedida de votar por suas ligações com uma das pessoas citadas durante toda a Comissão.

Melissa Correia Zanin, advogada do escritório S.S. Advocacia e Associados, falou sobre o mandado de segurança. “Entramos com o mandado no final da tarde de quinta-feira (07) para anular a votação do dia 02”, afirmou a profissional. O pedido foi para a Vara da Fazenda Pública de Rolândia com o juiz Marcos Rogério César Rocha.

“A vereadora Maria do Carmo não poderia participar da votação e sua abstenção contribuiu diretamente para a não-cassação de Francisconi”, ressaltou Melissa. De acordo com a advogada, o presidente da Câmara deveria ter declarado o impedimento dela e convocado o seu suplente para a votação. “O impedimento é absoluto. Quando você ou seu cônjuge está diretamente envolvido nos fatos que vai julgar (no caso o vereador é um tipo de juiz na votação) você é declarado impedido”, lembrou Melissa.

Como o Regimento Interno da Câmara não prevê tal situação, os advogados usaram, por analogia, o Processo Penal e Civil. O mandado também pediu a suspensão do prazo de conclusão da Comissão Processante, encerrada no dia 09 de fevereiro, 90 dias depois de ter sido formada na Câmara de Vereadores de Rolândia. “Pedimos a suspensão dos efeitos da votação”, reforçou a advogada.

O juiz Marcos Rocha pediu que se juntasse aos autos a ata de votação da sessão especial do dia 02 de fevereiro. “Como essa ata precisa ser aprovada pela própria Câmara em uma sessão ordinária, temos que esperar até o dia 19 para pegar a ata”, afirmou Melissa. A primeira sessão ordinária do ano será realizada na próxima segunda-feira (18). Depois da anexação da ata, já aprovada, o juiz comunica o Legislativo sobre o processo e a Câmara tem até 10 dias para dar uma resposta à Justiça sobre o questionamento. Em posse dessa resposta, o juiz decide o mérito da questão, ou seja, se deve haver uma nova votação com o suplente de Maria do Carmo ou não, que a votação do dia 02 foi válida. Se a decisão for pela anulação da sessão, uma nova votação deve ser marcada e de maneira rápida. “Geralmente, o juiz dá 48 horas para que se faça a nova votação”, concluiu a advogada.

Quem votaria

De acordo com informação do Fórum Eleitoral, Dario Augusto da Fonseca (PSDB), suplente de Maria do Carmo, seria o suplente convocado para uma nova sessão de julgamento. No último pleito eleitoral, Dario foi o terceiro candidato mais votado da coligação PSDB-PR-DEM e teve 819 votos: Irineu de Paula (PSDB) fez 1219 e Maria teve 962 votos.

Via Jornal de Rolândia

Foto: Daiane Valentin

 

Outras informações na programação da Rádio Cultura AM 930

Postagens relacionadas

Militar investigado por tentativa de golpe chega dos EUA e é preso

Cobra News (User)

Ministro diz que não há necessidade do horário de verão

Cobra News (User)

CCJ retoma amanhã (23) análise do parecer da reforma da Previdência

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais