O Portal do Norte do Paraná
Política

Francisconi será julgado pela CP amanhã (2)

A sessão extraordinária está marcada para as 17h e a Câmara irá votar pela cassação ou pelo arquivamento da denúncia contra Francisconi

 

O prefeito afastado Luiz Francisconi Neto (PSDB) será julgado amanhã (2) pela Comissão Processante (CP), na Câmara Municipal de Rolândia. No julgamento político-administrativo, que deve começar às 17h, os vereadores decidem se o mandato de Francisconi será cassado ou se a denúncia será arquivada.

Reginaldo Burhoff, diretor da Câmara Municipal, em entrevista à rede de rádios na quarta-feira (30), relatou os trâmites legais que devem ser seguidos pela Casa de Leis durante a sessão. “Temos uma legislação que rege essa sessão e toda a equipe da Câmara está preparada para seguir à risca os procedimentos determinados por lei, da maneira mais transparente possível”, afirma o diretor.

A sessão é aberta para a imprensa e os rolandenses que quiserem assistir podem comparecer à Casa de Leis, segundo Burhoff. A direção da Câmara cogita colocar um telão do lado de fora, já que o espaço tem 60 cadeiras e a expectativa é que sejam todas ocupadas e ainda tenha cidadãos do lado de fora acompanhando o julgamento. Para os rolandenses que não puderem acompanhar presencialmente, a sessão será exibida em transmissão ao vivo pela própria Câmara e nas páginas do Portal Cobra News e da Rádio Cultura no Facebook.

O diretor esclarece que os membros da Comissão, vereadores Irineu de Paula (PSDB), Reginaldo Silva (SD) e Edileine Griggio (PSC), elaboraram o relatório final das investigações, que será apresentado no julgamento. Depois Anderson Mariano, o advogado do prefeito afastado, terá até duas horas para apresentar sua defesa.

Na sequência, os vereadores irão votar, nominalmente, pela cassação ou absolvição de Francisconi. Eles também têm a opção de se abster do voto. De acordo com Burhoff, por ser autor da denúncia, o vereador João Gaúcho (PSC) não vota. Sua vaga será ocupada pelo suplente do partido, Leandro Olímpio (PSC).

Se houver sete votos pela cassação, o prefeito deixa o cargo. Caso contrário, é absolvido das denúncias e o processo é arquivado. O número de votos corresponde à maioria absoluta da Casa – dois terços – que tem dez vereadores. De acordo com Burhoff, o julgamento deve se estender por cerca de cinco horas.

Entenda o caso

A CP contra Franscisconi foi instaurada no dia 29 de outubro de 2018, em decorrência de denúncia de infração político-administrativa. O requerimento de autoria do vereador João Gaúcho foi protocolado na Câmara com a intenção de apurar fraude em licitação, recebimento de propina e atos de improbidade em razão de infração aos princípios da administração pública.

A Comissão Processante é formada pelo presidente Irineu, pelo relator Reginaldo e tem Edileine como membro. A CP marcou três oitivas, mas o prefeito não compareceu a nenhuma delas. Em justificativa dada durante uma coletiva de imprensa em sua casa na sexta-feira (25), Francisconi relatou que a Câmara foi avisada acerca dos dias em que ele e seu advogado, Anderson Mariano, poderiam comparecer aos depoimentos. Nenhum dos dias , segundo ele, foi considerado pela CP.

O prefeito está afastado do cargo desde setembro de 2018. Ele é investigado pela Operação Patrocínio, do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), acusado de receber propina de empresas em troca de favorecimento em licitações. A CP foi aberta para investigar as supostas irregularidades.

Texto e fotos: Daiane Valentin

 

Outras informações na programação da Rádio Cultura AM 930

 

Postagens relacionadas

Relator no TRE vota contra a cassação de Sérgio Moro

Cobra News (User)

Por 36 a 13, texto-base da reforma da Previdência é aprovado na comissão especial

Flávio Dino defende criação de Conselho Nacional das Polícias

Cobra News (User)

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais