A Notícia Certa!

Home  ›  Notícias  ›  Policial  ›  Em depoimento, pai suspeito de torturar filhos nega agressões e que deixava menino de 4 anos amarrado

Em depoimento, pai suspeito de torturar filhos nega agressões e que deixava menino de 4 anos amarrado

Publicado em: 8 fev 2021

Curta nossa página no Facebook e fique por dentro dos fatos que acontecem em todo Paraná.

O homem suspeito de torturar os filhos, de 4 anos e 10 meses, negou que agredia as crianças ou que deixava o menino mais velho amarrado pelo tornozelo com um cadarço ao prestar depoimento à Polícia Civil. O suspeito está preso preventivamente em Arapongas, no norte do Paraná.

“Não bato no meu filho, não sei porque os cadarços estavam amarrados”, disse o vendedor autônomo.

Ele e a esposa foram presos por maus-tratos na sexta-feira (5), e as duas crianças resgatadas pelo Conselho Tutelar.

Conforme a Polícia Civil, a criança mais velha era amarrada com um cadarço de sapato pelos tornozelos e se alimentava no chão. O menino estava com vários hematomas e cicatrizes no corpo, segundo o Conselho Tutelar.

Além disso, segundo a polícia, a casa onde a família estava apresentava condições insalubres. As crianças ficavam no chão em meio a bitucas de cigarros, móveis espalhados por todos os cantos.

A mulher, que está grávida de 33 semanas, foi solta nesta segunda-feira (8). Ela responderá ao processo em liberdade e não poderá se aproximar dos filhos.

Em depoimento à polícia, o pai das crianças contou que, enquanto a mulher trabalha em uma padaria ao longo do dia, é ele quem cuida dos filhos.

“Na semana passada a casa estava limpa. Vocês encontraram daquele jeito porque a gente vai se mudar, estávamos desmontando os móveis”, afirmou.

No depoimento, o homem contou que foi denunciado pela escola por ter agredido o menino, mas alegou que não maltrata a criança e que tudo não passa de um mal entendido com a mãe da esposa porque ela quer a separação do casal.

“A hora que o conselho chegou em casa em estava deitado e o moleque solto. Como o portão estava trancado com cadeado fui atrás das chaves para abrir. O menino foi até aonde os conselheiros estavam enquanto eu procurava”, alegou.

“Não bato no meu filho, coloco ele de castigo, sentado em um colchão e digo para ele não levantar. Não sei porque os cadarços estavam lá e como ele tem aquelas marcas no tornozelo. Os hematomas nas costas devem ter sido provocados por que ele mesmo se bate nos armários”, concluiu o pai das crianças.

O que diz a defesa

O advogado do casal não negou que as crianças foram agredidas ou vítimas de maus tratos, no entanto lamentou que o Conselho Tutelar não tenha agido anteriormente para evitar esta situação.

“A situação da família era conhecida pelo Conselho Tutelar e nada foi feito anteriormente. É uma família desestruturada e que precisava da intervenção do estado preventivamente. O Conselho Tutelar agiu como “polícia” em vez de atender a família antes que os fatos acontecessem”, afirmou Evandro Luiz da Silva Bueno de Oliveira.

O advogado complementou que a mulher foi liberada porque corria risco de dar à luz na cadeia, que está superlotada.

O advogado Evandro de Oliveira completou que vai pedir a liberdade do cliente nos próximos dias.

Essas e outras informações na programação da Rádio Cultura AM 930

(Via G1 Paraná)

APOIO

SOBRE

No Portal Cobra News você acompanha as últimas notícias do Paraná, do Brasil e do mundo. Só aqui você encontra informação com credibilidade sobre cultura, política, educação, policial, variedades e muito mais.

Cobra News, a notícia certa!

Sistema Cobra de Comunicação:

NOTÍCIAS

CLUBE DE OFERTAS

FALE CONOSCO

Preencha o formuário abaixo para falar com nossa equipe. Ou se preferir envie sua mensagem via WhatsApp para o número: (43) 99924-1071




© 2020 Cobra News - Todos os direitos reservados.