O Portal do Norte do Paraná
Comunidade

Comitê de Saúde vai monitorar ocorrências de febre amarela

O grupo criado pela Secretaria de Estado da Saúde vai atuar desde a investigação de casos e na intensificação da vacinação, até o tratamento aos doentes. Toda a população do Paraná na faixa etária de nove meses a 59 anos deve tomar a vacina.

 

A Secretaria de Estado da Saúde (SESA) do Paraná criou um comitê operacional para enfrentamento da febre amarela no Estado. O grupo vai atuar desde a investigação de casos e na intensificação da vacinação, até o tratamento aos doentes. O Centro de Operações em Emergências em Saúde (Coes) está focado, inicialmente, nos sete municípios da 1ª Regional de Saúde, onde o vírus da doença foi confirmado em macacos encontrados mortos, em Antonina.

Em videoconferência realizada na segunda-feira (28) com as 22 Regionais de Saúde do Paraná, foi reforçada a necessidade de vacinar a população em todo o Estado, na faixa etária de 9 meses a 59 anos. A Superintendência de Atenção à Saúde também está levantando, junto a cada município, a capacidade de monitorar e atender eventuais casos.

“Além das providências que estamos tomando, é sempre preciso alertar a população para que não deixe de tomar a vacina”, destaca João Luís Crivellaro, da Superintendência de Vigilância em Saúde. Ele explica que a vacina precisa de dez dias para começar a fazer efeito, e é a única forma de evitar a doença. O uso de repelente também é indicado.

Os macacos encontrados mortos estavam na localidade de Morro Queimado, em Antonina, um local de circulação de praticantes de eco-turismo. O resultado positivo dos exames que confirmaram a circulação do vírus saiu em apenas dois dias.

Alerta

Os sintomas da doença são febre com início súbito em pessoas que nunca tomaram a vacina contra a febre amarela ou com vacinação há menos de 10 dias, e que tenham estado em áreas de matas, rios ou áreas de circulação viral comprovada nos últimos 15 dias. Essas condições devem estar associadas a outros dois ou mais sinais, como cefaleia, náusea, vômitos, dor articular, dor abdominal, dor lombar, icterícia ou hemorragias.

Via Agência de Notícias do Paraná

Fotos: Diogo Pracz de Oliveira/SESA

 

Outras informações na programação da Rádio Cultura AM 930

 

Postagens relacionadas

Postinhos de Rolândia têm vacina contra febre amarela

Contribua: Projeto CEEL faz vaquinha online para comprar kombi

Família de Rolândia faz rifa para custear tratamento e cirurgia de bebê

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais