O Portal do Norte do Paraná
Policial

Bebê que teve indicação médica para aborto na Inglaterra é salvo em Londrina

Brasileira, natural de Cambé e chefe de cozinha, Talita Azevedo, de 30 anos, mora com o marido, Alexandre Casabranca, na Inglaterra quando descobriu de que estava grávida de uma menina. Aos sete meses de gravidez, recebeu um diagnóstico: a criança tinha hidrocefalia, doença que provoca o aumento do volume de líquido no cérebro. Com a pressão, o órgão tem uma dilatação anormal, que pode provocar a morte da criança. Em Londres, procurou ajuda dos médicos, que indicaram como melhor saída o aborto, mesmo com a gravidez avançada. O procedimento é legalizado por lá há 50 anos.

Insatisfeita e sem esperança, Talita não se contentou com as indicações dos médicos ingleses e, com ajuda da família, resolveu voltar ao Brasil para procurar assistência médica. Com 37 semanas, a água no cérebro da bebê Ana Liz havia aumentado. Os médicos da equipe do Hospital Evangélico de Londrina, então, anteciparam o parto e buscaram a sobrevivência da criança. O neurologista Carlos Zicareli, junto a obstetra Lilian Vacari, foram os responsáveis pelo procedimento. Zicareli explica que a doença é comum, mas o procedimento adotado, nem tanto.

Com a antecipação do parto e o implante da válvula em seguida, Ana Liz depois de 13 dias não tinha mais inchaço na cabeça, os resultados são surpreendentes. Até o momento, o desenvolvimento dela é normal. Talita explica o sentimento de quase perder uma filha e, semanas depois, ter ela saudável em seus braços.

Via CBN

Postagens relacionadas

Filho é preso suspeito de manter a mãe em cárcere privado no Paraná

Mulher de 50 anos é presa com aproximadamente 180 quilos de maconha na PR-323

Homem é preso com veículo carregado de drogas em Londrina

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais