O Portal do Norte do Paraná
Política

Quem é Claudia Sheinbaum, primeira mulher eleita presidente do México?

Conhecida como “la Doctora” por suas brilhantes credenciais acadêmicas, Claudia Sheinbaum é uma física com doutorado em engenharia energética, ex-prefeita de uma das cidades mais populosas do mundo e fez parte do painel de cientistas climáticos das Nações Unidas que recebeu o Prêmio Nobel da Paz.

E no domingo (2), ela se tornou a primeira mulher, e a primeira pessoa de herança judaica, a ser eleita presidente do México.

Sheinbaum venceu com cerca de 60% dos votos na maior eleição da história do México, marcando uma conquista histórica em um país majoritariamente católico, conhecido por sua cultura profundamente patriarcal.

os 61 anos, ela está prestes a substituir o presidente em fim de mandato, Andrés Manuel López Obrador, seu aliado de longa data, cujos programas de bem-estar social tiraram muitos mexicanos da pobreza, tornando seu partido de esquerda, o Morena, favorito nas pesquisas.

“Nossa obrigação é e sempre será cuidar de cada mexicano sem distinção,” disse Sheinbaum em um discurso na manhã de segunda-feira (3). “Embora muitos mexicanos não concordem totalmente com nosso projeto, teremos que caminhar em paz e harmonia para continuar construindo um México justo e mais próspero”.

Depois que seus avós maternos emigraram da Europa para escapar do Holocausto, Sheinbaum nasceu na Cidade do México em 1962 – uma cidade que ela serviria em vários cargos ao longo de décadas.

Enquanto estudava para sua graduação na Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM), ela se envolveu na política estudantil, protestando contra a privatização da educação pública. Após se formar, ela estudou engenharia energética na Universidade da Califórnia, Berkeley, onde se tornou fluente em inglês e obteve um mestrado, antes de retornar à UNAM para estudos de doutorado.

Sheinbaum entrou na política em 2000, quando foi nomeada secretária de meio ambiente da Cidade do México por Obrador, então chefe do governo da cidade.

Após deixar o cargo em 2006, Sheinbaum se dedicou ao estudo da energia, juntando-se ao Painel Internacional sobre Mudanças Climáticas (IPCC) e tornando-se parte da equipe que recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 2007.

Em 2015, ela se tornou a primeira mulher eleita chefe do distrito de Tlalpan, na Cidade do México, servindo até 2017. No ano seguinte, ela foi eleita chefe do governo de toda a cidade – novamente, a primeira mulher a fazer isso – deixando o cargo em junho de 2023 para iniciar sua candidatura à presidência.

Sheinbaum tem dois filhos e um neto. Seu parceiro, Jesús María Tarriba, que conheceu na universidade enquanto ambos estudavam física, é especialista em risco financeiro no Banco do México.

Quais desafios estão à frente?

Se a constituição permitisse, o México provavelmente teria reeleito Obrador, um daqueles raros políticos que – como FDR (Franklin D. Roosevelt) e JFK (John F. Kennedy) – é conhecido simplesmente por suas iniciais, AMLO (Andrés Manuel López Obrador ).

Após surfar na onda de popularidade de AMLO, alguns questionaram se Sheinbaum conseguirá se distanciar suficientemente de seu aliado de longa data.

Um dos biógrafos de Sheinbaum, o jornalista Jorge Zepeda, argumentou que, uma vez no cargo, Sheinbaum provavelmente revelará sua própria plataforma gradualmente: primeiro ela agirá como “a discípula fiel do líder”, antes de oferecer “vislumbres” de seu próprio programa, cuidando para não provocar instabilidade na base do movimento.

Mas Zepeda também notou claras diferenças entre os dois líderes. Em um artigo para o diário espanhol El País, Zepeda lembrou de ter perguntado a Sheinbaum o que a diferencia de outros políticos. “Sou alguém que toma decisões com base nos dados” disse ela.

Por outro lado, Zepeda afirmou que Obrador poderia sacrificar dados pela lealdade partidária. “Se (um dado) atrapalha, outro dado é escolhido”, ele disse, enquanto Sheinbaum se deixa guiar pela ciência.

Obrador deixará o cargo com amplo apoio e um impressionante histórico de alívio da pobreza, mas seu mandato foi marcado por sua política de “abraços, não balas” de não confrontar os cartéis, permitindo que a violência aumentasse.

A violência teve um grande impacto nesta eleição, a mais sangrenta da história do México. Dezenas de candidatos políticos e postulantes foram mortos por organizações criminosas tentando influenciar os novos ocupantes do poder.

A taxa de homicídios do México está entre as mais altas do mundo, e mais de 100 mil pessoas continuam desaparecidas no país. Também continua sendo um lugar perigoso para ser mulher, com taxas altíssimas de feminicídio para a região – com dados mostrando que cerca de 10 mulheres são assassinadas por dia.

Sheinbaum terá que agir rapidamente nas questões de crime organizado e segurança do México, disse Will Freeman, pesquisador para estudos da América Latina no Conselho de Relações Exteriores.

“É surpreendente que o partido governante possa vencer a reeleição por uma grande margem, como parece… dada a violência generalizada, a questão é que a oposição não parecia ter reunido um conjunto de propostas muito mais credíveis sobre o que fariam”, disse Freeman.

Sheinbaum conta com uma equipe de seu tempo como prefeita da Cidade do México que tem um histórico comprovado na melhoria da segurança, mas ainda resta saber se ela conseguirá replicar isso em nível nacional, disse Freeman.

Com informações:CNN

MAIS INFORMAÇÕES NA RÁDIO FM 107.1

Postagens relacionadas

Ministério Público pede à Câmara cassação do mandato de Boca Aberta

Ex-procurador da República, Rodrigo Janot, afirma ter tentado atirar em Gilmar Mendes

Lula demite Jean Paul Prates, presidente da Petrobras

Cobra News (User)

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais