O Portal do Norte do Paraná
Região

Professora é indiciada em caso de criança que morreu asfixiada com alça de mochila

Foi concluído nesta sexta-feira (18), o inquérito policial que investigava o caso da criança de dois anos que morreu após se enforcar com a alça de uma mochila. A situação foi registrada em uma escola de Nova Esperança, durante o período de aula. A professora que estava em sala no momento em que a menina se enforcou foi indiciada como suspeita por homicídio culposo.

 

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Leandro Farnese Teixeira, da Polícia Civil de Nova Esperança, a professora era a única pessoa responsável pelas crianças no momento do acontecido e não havia nenhuma auxiliar na sala. Para ele, a parte mais delicada da investigação foi identificar se a professora foi, ou não, negligente e se havia previsibilidade.

Conforme o que foi apurado no inquérito, houve falta de cuidado por parte da responsável, mas não houve previsibilidade, já que era difícil antever que a criança poderia se asfixiar nas condições em que a mochila estava.

Durante as investigações, foram ouvidas todas as partes envolvidas no caso, professoras da escola, a Direção, zeladoras e os socorristas do Samu que fizeram o atendimento inicial da menina. Além disso, a polícia teve acesso a todo o laudo médico do Hospital Universitário de Maringá, onde a criança chegou a ficar internada, para levantar todas as evidências necessárias para conclusão do inquérito.

Ainda nesta sexta-feira (18), durante a tarde, o processo será entregue ao juiz, que deve encaminhar o caso para a promotoria do Ministério Público do Paraná (MP-PR). Após receber o inquérito, o promotor terá 15 dias para fazer a denúncia da professora.

Relembre o caso

A situação foi registrada no dia 14 de dezembro de 2018, em uma escola de Nova Esperança. A menina chegou a ser socorrida pelo Samu e levada, pela aeronave, para o Hospital Universitário de Maringá, onde ficou internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). No entanto, a criança não resistiu e morreu dias depois.

 

(Via Massa News)

Postagens relacionadas

Aumenta o número de consumidores que limparam o nome em Londrina

Prefeitura de Londrina contrata 50 leitos de UTI da rede privada exclusivo para atendimento a pacientes com coronavírus

Caso suspeito de novo coronavírus é investigado em Londrina

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais