A Notícia Certa!

Home  ›  Notícias  ›  Policial  ›  Reajuste no polo moveleiro de Arapongas é discutido por Sindicatos

Reajuste no polo moveleiro de Arapongas é discutido por Sindicatos

Publicado em: 25 maio 2022

Curta nossa página no Facebook e fique por dentro dos fatos que acontecem em todo Paraná.

O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Arapongas (Sticma) e o Sindicato das Indústrias de Móveis de Arapongas (Sima) iniciaram as negociações da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) para 2022/2023. A data-base da categoria é 1º de maio.

O Sticma -que representa cerca de 10 mil trabalhadores de sua base, sendo 8,5 mil apenas em Arapongas- reivindica a reposição da inflação do período (12,47%) e mais 3% de ganho real e outros 3% de valorização do piso. O índice de reajuste médio a chega a 19,31%, segundo o presidente do sindicato, Carlos Roberto da Cunha. O cálculo leva em conta os diferentes patamares da categoria.

Na convenção atual, o piso mensal de ingresso é de R$ 1.378,08 (para auxiliares gerais e para pessoas que nunca trabalharam em uma fábrica de móveis). O valor sobe para R$ 1.605,96 após seis meses de efetivação no trabalho. Na última negociação, o índice geral de reajuste ficou em 8%. Há, no entanto, outras faixas para quem recebe valores maiores.

“Tivemos uma primeira reunião e voltaremos a nos reunir em 31 de maio. A gente está otimista para um acordo. O poder de compra dos trabalhadores caiu muito e os próprios empresários entendem que é necessário um reajuste”, diz Carlos Roberto. O sindicato abrange, além de Arapongas, os trabalhadores do setor de móveis de Rolândia, Arapongas, Sabáudia, Pitangueiras, Apucarana e Califórnia.

O presidente do Sima, José Lopes Aquino, afirma que os associados farão uma assembleia no dia 30 para debater a proposta da categoria, um dia antes do encontro com os representantes do sindicato. Ele afirma que o setor ainda não se recuperou após a queda das vendas nos primeiros meses deste ano. Aquino afirma que o otimismo voltou com a Movelpar, realizada na semana passada, mas diz que o setor ainda está em transição.

“É preciso buscar um equilíbrio. A condição econômica das empresas ainda é difícil”, diz. No entanto, ele admite que um reajuste salarial é necessário por conta das perdas financeiras dos funcionários desde o ano passado, principalmente com o aumento da inflação. “O reajuste, com certeza, é necessário. Não podemos pensar apenas na questão econômica das empresas, mas também no aspecto social dos trabalhadores”, disse.

Em relação à Movelpar, Aquino afirma que o número de visitantes foi bom. “Os grandes compradores estiveram presentes e, por enquanto, estamos mantendo a projeção de movimentação financeira na casa de R$ 650 milhões”, diz. Segundo ele, os 30 dias seguintes à feira são ainda cruciais para o fechamento dos negócios iniciados no evento, realizado no Expoara.

Com informações de TN Online.

MAIS INFORMAÇÕES NA RÁDIO COBRA FM 107.1

APOIO

SOBRE

No Portal Cobra News você acompanha as últimas notícias do Paraná, do Brasil e do mundo. Só aqui você encontra informação com credibilidade sobre cultura, política, educação, policial, variedades e muito mais.

Cobra News, a notícia certa!

Sistema Cobra de Comunicação:

NOTÍCIAS

CLUBE DE OFERTAS

FALE CONOSCO

Preencha o formuário abaixo para falar com nossa equipe. Ou se preferir envie sua mensagem via WhatsApp para o número: (43) 99924-1071




© 2020 Cobra News - Todos os direitos reservados.