A Notícia Certa!

Home  ›  Notícias  ›  Paraná  ›  Para atingir meta do Ministério da Saúde, Paraná tem que vacinar cinco vezes mais nos próximos meses

Para atingir meta do Ministério da Saúde, Paraná tem que vacinar cinco vezes mais nos próximos meses

Publicado em: 15 mar 2021

Curta nossa página no Facebook e fique por dentro dos fatos que acontecem em todo Paraná.

Para conseguir atingir a meta estipulada pelo Ministério da Saúde, de vacinar pelo menos 4 milhões de pessoas contra a Covid-19 até o final de maio, o Paraná terá de acelerar – e muito – o ritmo da imunização da população paranaense. Segundo levantamento feito pelo Bem Paraná, desde que a população paranaense começou a ser vacinada, no final de janeiro, pouco menos de 11 mil pessoas estão sendo imunizadas por dia no estado. Para conseguir cumprir com a meta, então, seria necessário acelerar em cinco vezes o ritmo da imunização no estado.

Os dados, levantados a partir das informações divulgadas diariamente pela Secretaria da Saúde do Paraná (Sesa), mostram que desde o início da vacinação da população paranaense contra a Covid-19 correram cerca de 40 dias de trabalho, com os esforços para imunização do povo acontecendo entre segunda e sábado em cidades como Curitiba. Em média, então, temos que 10.967 pessoas foram vacinadas por dia no estado, somando um total de 438.661 pessoas que tomaram ao menos a primeira dose do fármaco até a manhã de ontem (10 de março), o equivalente a 3,8% da população paranaense.

Para alcançar a meta de 4 milhões de pessoas imunizadas (o que significaria que um terço da população estaria protegida contra o coronavírus), então, seria necessário acelerar o ritmo da vacinação em cinco vezes. O cálculo considera que até o dia 31 de maio teríamos 68 dias em que aconteceriam a vacinação, excetuando-se domingos e feriados. Assim sendo, seria necessário que 52,4 mil pessoas tomassem a primeira dose do imunizante por dia, em média.
O que acontece, na realidade, é que o grande problema hoje não é acelerar o ritmo da vacinação em si, mas sim conseguir doses suficientes do imunizante para conseguir ampliar o número de doses aplicadas diariamente. Foi isso, inclusive, o que apontou ontem o secretário da Saúde do Paraná, Beto Preto, na Assembleia Legislativa, na última terça-feira.

“A programação do Ministério, e esperamos que não atrase, é que até 31 de maio tenhamos vacinado no Paraná 4 milhões de pessoas. São 1,8 milhões com mais de 60 anos, aqueles com comorbidades, doenças crônicas, e entram aí outras categorias, como professores”, afirmou o secretário, revelando ainda que o Ministério da Saúde está negociando com a Pfizer, Moderna e Covaxin a aquisição de novos imunizantes.

Brasil imuniza sete vezes mais lentamente que o ideal

Epidemiologista, professor e ex-reitor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), no Rio Grande do Sul, o cientista Pedro Hallal explica que o Brasil possui, hoje, capacidade de vacinar 2 milhões de pessoas por dia. Assim sendo, se houvessem vacinas disponíveis, seria possível imunizar toda a população brasileira em 200 dias.
“Isso mostra que o problema não é o sistema de saúde, é quem não compra vacina e diz que vacina não funciona, mas agora está mudando de ideia”, declarou recentemente o cientista, em entrevista à rádio BandNews. “O Brasil tem de fazer no mínimo um milhão de vacinas por dia, idealmente dois milhões de vacinas, que é o que os Estados Unidos está fazendo atualmente. Então a gente está num ritmo sete vezes menor do que deveríamos estar. Estamos a passo de tartaruga. Temos capacidade e estamos vacinando muito menos do que poderíamos porque o Ministério da Saúde não foi hábil para adquirir os imunizantes”, complementa.

Ainda segundo o especialista, no ritmo atual a população adulta mais jovem seria vacinada apenas lá pelo final de 2021, começo de 2022. E o problema é que o país enfrenta uma “tempestade perfeita em favor do vírus”.
“Temos a nova variante, a P1, que é muito mais transmissível do que o vírus original; a gente teve festas de final de ano e Carnaval com muita aglomeração; e a gente tem uma velocidade da campanha de vacinação muito baixa. Essa combinação de fatores faz com que a gente esteja com esse caldeirão que está fervendo e prestes a explodir, sendo que em alguns lugares já explodiu, não tem mais leito”, afirma Hallal. “E como é que a gente para isso? É uma combinação de dois fatores: acelerar a campanha de vacinação e restringir a circulação do vírus urgentemente.”

Com informações:Bem Paraná/Foto: Franklin de Freitas

Mais informações na programação da Rádio Cultura AM 930

APOIO

SOBRE

No Portal Cobra News você acompanha as últimas notícias do Paraná, do Brasil e do mundo. Só aqui você encontra informação com credibilidade sobre cultura, política, educação, policial, variedades e muito mais.

Cobra News, a notícia certa!

Sistema Cobra de Comunicação:

NOTÍCIAS

CLUBE DE OFERTAS

FALE CONOSCO

Preencha o formuário abaixo para falar com nossa equipe. Ou se preferir envie sua mensagem via WhatsApp para o número: (43) 99924-1071




© 2020 Cobra News - Todos os direitos reservados.